Uma baiana comenta sua situação aflitiva com um amigo, crédulo da Igreja Universal:     – Estou numa maré braba meu nêgo. – Estou sem crédito na praça,